Uma Crônica Munduruku

Fruto de um ano de pesquisa material e uma vivência com a etnia que deu nome à série fotográfica, localizada na região do baixo Tapajós, surgiram dez imagens, todas do cotidiano da aldeia Munduruku.

Os retratos, realizados no plano digital da fotografia, foram impressos via Fine Art em P&B e colorizados manualmente com pigmentos coletados também na região amazônica.

O resultado foi apresentado inicialmente em uma mostra individual na Galeria Yankatu, em São Paulo, e os originais foram escaneados para a apresentação a seguir.

A comunidade selecionada exemplifica meu objeto de pesquisa antropológica.

Navegando pelo Rio Amazonas, entre Manaus e Belém, selecionei a comunidade em questão por representar o objeto de minha pesquisa: o contato entre a sociedade de consumo e as comunidades tradicionais; traduzidas pelas pressões em seu cotidiano oferecidas pelo mercado de turismo e os empreendimentos regionais.

Não me interesso em apresentar um trabalho que não seja compartilhado com a comunidade retratada.

Utilizo de um processo artístico em que, durante a realização das imagens, busco a aprovação da comunidade na seleção e na construção das fotografias. Neste caso, busquei imagens singelas, corriqueiras, que refletem o maior desejo da etnia: a manutenção do seu cotidiano.

Escola de Cultura, Floresta e Medicina Munduruku.

Busco oferecer contrapartidas concretas para a comunidade retratada, uma vez que é dificílimo mensurar o quanto um trabalho fotográfico realmente contribui para algum tipo de preservação, quando se propõe a isso. Dependemos exclusivamente de análises estatísticas e na maioria dos casos, concretamente, a devastação é maior que a intenção.

Também compartilhando meu objetivo com a comunidade, percebi a demanda da liderança da etnia que procurava organizar a transmissão dos valores tradicionais à juventude e, consequentemente, fortalecer a preservação da Floresta Nacional do Tapajós no futuro.

Assim, nasceu o projeto da Escola, onde uma parcela da venda das imagens, originais ou reproduções, é destinada ao projeto.